sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

A ESCOLHA DE UM COWBELL



Muitos amigos já me perguntaram a respeito de qual cowbell adquirir no meio de tantas opções. Pra isto, é preciso saber qual é a função de cada um e para o que será usado. 


O cowbell, ou "sino de vaca" (tradução literal do inglês), "campana" (no espanhol), também pode ser entendido como uma espécie de caneca para se percutir, similar aos sinos de vaca com badalo. No caso, o cowbell que iremos falar é sem o badalo, sendo classificado, segundo o sistema Hornbostel-Sachs, como idiofone percutido de altura definida.

Como possui bastante variação, tanto de material quanto de forma e tamanho, entendê-lo no seu contexto de uso ajudará o percussionista a escolher o da sua preferência para o seu set up.

Abaixo, veja o vídeo em que estou tocando timbales (não sou especialista!) e utilizo o mambo bell com seu padrão característico, juntamente com o bongo bell nos pés, com função de condução. Explicarei com mais detalhes a seguir:


Em resumo, há 3 tipos de cowbells, usados sobretudo na música latina, de onde irá derivar depois seu uso na música pop e em outros gêneros: o chacha bell, o mambo bell e o bongo bell.
Fica evidente que esta classificação leva em consideração o contexto de uso na música latina, já que a função do primeiro é característico da condução peculiar do gênero cha cha; o segundo, é usado na produção do padrão rítmico típico dos timbales no mambo; e o terceiro, refere-se à função em que o bongueiro (quem toca bongôs) utiliza o padrão de condução no cowbell, em momentos específicos da forma de alguns gêneros latinos, como o mambo.
Basicamente, o primeiro (cha cha bell, tocado no gênero conhecido como "cha cha cha") é usado para marcar a condução contínua, em colcheia, com sonoridade mais aguda para médio, sendo portanto um cowbell menor, como poderemos ver na foto:
Cha cha bell, medindo aproximadamente 4" 1/2 (quatro polegadas e meia)
O mambo bell, utilizado nos timbales, golpeando a ponta da baqueta no corpo do cowbell, marca um padrão rítmico característico dos momentos da chamada "salsa alta" (em suma, irei me referir ao modo didático de se designar à forma em que o cantor está no refrão ou no momento entre o pregón, ou seja, o improviso, e o coro, diferentemente do que chamaremos de "salsa baixa", momento das estrofes), marcando uma mudança na dinâmica, muito importante para caracterizar o uso correto dos instrumentos na música latina, sem o qual esta perde a sua força de expressão:
Padrão rítmico usado no corpo do mambo bell com base na clave de son 3:2
Mambo bell, medindo aproximadamente 8" (oito polegadas)
O bongo bell é executado segundo o padrão de condução de tonalidade grave, em semínima, na borda da boca, alternando com padrão de "resposta" agudo no corpo do instrumento pelo bongueiro, na parte em que a música está em "salsa alta" (o bongô propriamente dito é tocado na "salsa baixa", concomitante ao timbaleiro executando o padrão de cáscara), com dinâmica bastante marcada pela condução, que sempre obedece à clave. Ou seja, ora o bongueiro está tocando o bongô, ora está tocando o bongo bell, dependendo da parte da música:
Bongo bell em sua forma tradicional, sem presilha para fixação, possuindo abertura larga, de tonalidade grave
É com base nestes 3 exemplos que outros são derivados, por exemplo, tendo versões com presilha para o bongo bell (tradicionalmente tocado segurando-o) para executar com os pés, com a ajuda de um pedal e um suporte apropriados, somente marcando as semínimas; ou tamanhos variados de cha cha bell e até de mambo bell.

Há versões híbridas, em que são misturadas características de mambo bell com bongo bell, de modo que o percussionista ou baterista que esteja interessado em um único cowbell, possa utilizá-lo com versatilidade, executando padrão de timbales em seu corpo, juntamente com a condução em semínima do bongo bell, tocado na "boca do cowbell".



Irá depender muito do que o músico deseja tocar, mas cowbells híbridos costumam ser usados para música pop e até mesmo o rock, sendo considerados cowbells "coringas"! Se mais grave ou mais agudo, dentro destas classificações, aí vai depender do gosto, estilo e intenção do músico no contexto em que tocará com outros instrumentos. Neste sentido, há também o uso, com presilhas, de conjuntos de cowbells de diferentes tonalidades, formando até mesmo escalas, semelhante a ideia do agogô (instrumento afro-brasileiro).
Espero que, com estas primeiras indicações, baseadas no pouco de experiência que pude adquirir estudando o vasto e complexo campo da música latina, o músico que esteja buscando melhores informações possa se orientar para a escolha do cowbell mais apropriado as suas intenções, sem necessariamente presumir que este artigo esgote o assunto, haja vista sua intenção mais didática do que enciclopédica. Qualquer dúvida ou discussão mais aprofundada sobre o assunto, estou à disposição.